Identificando perigos: como mapas de riscos ajudam na redução de acidentes de trabalho

Diante do crescimento no número de acidentes em ambiente de trabalho no Brasil, surgiu a necessidade de propor soluções para suprimir esses eventos indesejados. Segundo o manual de elaboração de mapas de risco do Governo de Goiás, esse crescimento teve início a partir de 1970 devido a expansão da industrialização.

Medidas foram incrementadas para poder conter esse aumento, normas foram criadas e as grandes empresas possuíam a obrigação de ter em seus quadros colaboradores especializados em segurança e medicina do trabalho. Mesmo assim, os indicadores continuavam a informar um aumento de acidentes de trabalho.

Desse modo, aparecem os mapas de riscos para auxiliar organizações a precaver esses incidentes e evitar que os números continuassem a crescer. Devido ao seu modelo, esses mapas permanecem contribuindo para prevenção de acidentes de trabalho até os dias atuais.

Eles tem como função ajudar na diminuição de possíveis perigos previamente identificados nos espaços empresariais. Por isso, ao fazer mapas de riscos, as empresas incluem trabalhadores no processo de elaboração com objetivo de ter a experiência de quem vivência a rotina e conhece bem o espaço de trabalho para aprimorar ainda mais o projeto.

Os Mapas de riscos devem ficar em locais acessíveis onde podem ser visualizados com facilidade. O propósito deles é comunicar aos indivíduos que circulam naquele ambiente que existem possíveis ameaças a sua integridade física.

Esses riscos são apontados nos mapas por meio de círculos de tamanhos e cores diferentes, sempre de acordo com o tipo de perigo que representam. Quando apresenta grau elevado de ameaça, o círculo é maior e as cores são referentes a sua classificação dos riscos ambientais.

Para atuar em conjunto com os mapas, existem tecnologias que tem capacidade de aprimorar a prevenção de acidentes. A Inteligência Artificial é uma delas, pois consegue identificar colaboradores sem EPI’s ou em situações de perigo e alertá-los.

Além da Inteligência Artificial, a Displace domina outras tecnologias disruptivas que potencializam a redução de ameaças. Dessa forma, é possível comunicar e orientar os colaboradores por meio dos mapas de riscos, mas também monitorá-los e alertá-los através da tecnologia Displace.

Implementar essas soluções na organização protege os colaboradores, inclusive, preserva a empresa de acontecimentos inesperados que podem comprometer o fluxo da suas atividades e gerar perdas econômicas.